Quinta-feira, 13 de Agosto de 2020
MS

Assassino de Carla se torna réu no processo e juiz marca a primeira audiência do caso

O juiz recebeu a denúncia do MPMS

Publicada em 01/08/20 às 13:38h

por Vida Nova FM


Compartilhe
   

Link da Notícia:

Na última quinta-feira (30), o juiz Aluizio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, recebeu a denúncia contra Marcos André Vilalba Carvalho, 21 anos. O rapaz agora é réu no processo que trata do homicídio de Carla Santana Magalhães, de 25 anos.

Recebida a denúncia feita pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) pelo juiz, agora Marcos se torna réu no processo. Com isso, foi citada a defesa para apresentar a defesa preliminar no prazo de 10 dias e também agendada a primeira audiência.

Essa audiência será para ouvir as testemunhas de acusação e foi marcada para o dia 8 de setembro, às 13h30, devendo acontecer por vídeo-chamada por conta da pandemia.

O que diz a denúncia

Para o MPMS, na noite de 30 de junho, por volta das 19 horas, Marcos abordou e deu um golpe de ‘mata leão’ em Carla na frente da casa dela, no Tiratentes. Assim, raptou a vítima que foi levada até a edícula onde ele morava, ao lado do local do sequestro.

Logo que foi vítima do golpe, Carla desmaiou e já na casa de Marcos, ele teria utilizado uma faca para dar golpes no pescoço da vítima, além de a esgorjar. Isso teria sido uma tentativa de degolar a vítima e ainda após a morte, Marcos praticou o crime de vilipêndio.

Tal crime trata-se de praticar sexo com a vítima já morta. Ainda para o MPMS, Marcos praticou o homicídio qualificado por motivo fútil, já que segundo ele isso aconteceu porque ela o ignorou em data anterior. Ou seja, ele a teria cumprimentado, mas ela não respondeu.

Também foi denunciado homicídio por meio cruel e com recurso que dificultou a defesa da vítima. Além disso, foi qualificado o crime de feminicídio, pelo fato de ter ocorrido em razão da condição de sexo feminino. Por fim foi citado o crime de ocultação de cadáver, já que o corpo de Carla foi mantido embaixo da cama do réu durante três dias.

O MPMS também arrolou as testemunhas e entregou a denúncia no dia 29 de julho, menos de um mês após o crime, sendo recebida pelo juiz no dia seguinte. Os documentos foram inseridos nos autos do processo nesta sexta-feira (31).

 

 

 

 

 

 

 

FONTE: Midiamax




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 67 9 9907-1049

Copyright (c) 2020 - Vida Nova FM - Associação Comunitária de Comunicação Social de Deodápolis